Manifestação na UFGD pede fim de intervenção que se estende há mais de dois anos

DOURADOS NEWS


Durante manhã de quarta-feira (25), parte da comunidade acadêmica da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) realiza ato em frente a Unidade 1 contra a intervenção na reitoria da universidade que já dura mais de 800 dias. 

Os manifestantes organizaram um café matinal e penduraram cartazes e faixas criticando a ação do MEC (Ministério da Educação) que continua optando por ignorar as consultas públicas em 25 instituições federais de ensino público.

 
Em Dourados, foi o professor Etienne Biasotto quem teve preferência de docentes e estudantes em eleição ocorrida em 2019.

Porém, o MEC nomeou Mirlene Ferreira Macedo Damazio para o comando da instituição, sucedida pelo professor Lino Sanabria, atual reitor da UFGD.  

Presidente da Aduf (Sindicato dos Professores da UFGD), Alexandre Bergamin, explicou a situação ao Dourados News nesta manhã (25) chamando atenção para o que chamou de manutenção do 'golpe' ocorrido há mais de dois anos. 

“A nossa perspectiva é de acabar com esta intervenção. Esta é a segunda pessoa nomeada reitor [se referindo a Lino Sanabria] sem ter tido sequer um voto pois não participaram do processo eleitoral da universidade, ou seja, assumiram de forma ilegítima”, pontuou.