Operação apreende carros e R$ 252 mil em Maracaju; ex-prefeito segue foragido

DOURADOS AGORA


O Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) apreendeu 10 veículos, R$ 252 mil entre cheques e dinheiro, eletrônicos, celulares, computadores, documentos, joias e barco, durante operação Dark Money, contra a corrupção em Maracaju. O ex-prefeito Maurílio Azambuja segue foragido.

Além de armas de fogo e munições de vários calibres, itens foram encontrados em casa de ex-servidor público envolvido no esquema que supostamente desviou R$ 23 milhões dos cofres do município em 2019 e 2020.

Seis pessoas foram presas, o ex-secretário de Finanças, Lenilson Carvalho Antunes, a ex-secretária municipal de administração, Daiana Cristina Kuhn, a ex-diretora do Departamento de Tesouraria, Iasmin Cristaldo Cardoso, o ex-assessor especial de gabinete, Fernando Martinelli Sartor, Pedro Emerson Amaral Pinto e Moisés Freitas Victor.

Conforme noticiou o Dourados Agora, Equipes do DRACCO, com o suporte técnico do LAB-LD - LABORATÓRIO DE LAVAGEM DE DINHEIRO, unidade especializada do Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado, constataram que foi criada uma conta bancária de fachada, diversa da oficial e não declarada aos órgãos de controle interno e externo do município, por onde foram promovidos mais de 150 repasses de verbas públicas em menos de um ano.


A partir de negócios jurídicos dissimulados, integrantes do alto escalão da prefeitura emitiram mais de 600 lâminas de cheques, que totalizaram mais de 23 milhões de reais, a empresas, sem qualquer lastro jurídico para amparar os pagamentos.

Muitas das empresas beneficiárias dos valores não mantinham relação jurídica com a prefeitura (licitação, contrato ou meio legal que amparasse a transação financeira). Além disso, não havia emissão de notas fiscais e os valores não eram submetidos a empenho de despesas, operações legais que devem ser observadas pelos entes públicos.