Proposta de Lula para assentar indígenas avaliza a ideia da Frente Parlamentar, diz Rogério Yuri

DOURADOS AGORA/REDAçãO


Vereador Rogério Yuri por ocasião de reunião com membros da OAB e Ministério Público Federal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitou Campo Grande, na sexta-feira (12) para acompanhar o embarque de carne para a China, a partir das plantas recém-habilitadas da empresa JBS na capital sul-mato-grossense, cujo evento contou com a participação do governador Eduardo Riedel (PSDB), várias lideranças políticas e empresariais e trabalhadores da indústria.

Foi a primeira visita do presidente a Mato Grosso do Sul desde a posse para o terceiro mandato. Em seu discurso, Lula propôs ao governador Eduardo Riedel a compra de terras, numa parceria estado/governo federal, para sanar os conflitos indígenas que se estendem há anos na região. A fala encontrou receptividade do governador de MS e recebeu aplausos dos presentes.

“Quero fazer uma proposta. Vamos comprar em sociedade uma terra para os guaranis que vivem em Dourados. Se achar as terras, pode me telefonar a hora que quiser para que a gente recupere a dignidade do povo. O governo federal será parceiro na compra e no cuidado deles', afirmou Lula. “Vamos comprar essas fazendas para fazer o que tiver que fazer na terra para dar o direito à decência que eles perderam por falta de trato e respeito com eles', completou o presidente.

A preocupação do presidente da República reflete o pensamento e posição dos membros da Frente Parlamentar para solução de conflitos entre índios e sitiantes, criada em 2023 pela Câmara de Dourados para buscar soluções para a questão que se arrasta há anos na região. A atuação da Frente Parlamentar, inclusive, proporcionou momento de trégua entre as partes que perdura até os dias atuais. O grupo vem trabalhando com a parceria do Ministério Público Federal, OAB e Funai.

Entre as propostas da Frente Parlamentar, presidida pelo vereador Rogério Yuri (PSDB), está a compra e/ou permuta de terras para assentar os indígenas e colocar fim aos conflitos. A ideia, inclusive, foi levada pelo vereador à Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul em setembro de 2023.

A Frente Parlamentar esteve na Alems pelas mãos do deputado Zé Teixeira (PSDB). “Eu peço apoio a cada um de vocês, deputados, para que seja utilizado o Fundo Estadual de Terras Indígenas […] Precisamos de apoio e paz no distrito-sede de Dourados. Nos reunimos na Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso do Sul. Estamos aqui debatendo a paz, para evitar confrontos, como nos últimos dias. Queremos a segurança para as famílias legalmente estabelecidas na região', declarou na ocasião o vereador Rogério Yuri.

Na mesma oportunidade, o deputado Zeca do PT manifestou preocupação com a situação e colocou-se à disposição. “É um assunto muito importante e a preocupação é pertinente em proteger os dois lados, para avançar e buscar entendimento, para que sejam respeitados os desejos das duas partes', destacou. A deputada Gleice Jane (PT) seguiu a mesma linha: “Foi a primeira preocupação assim que assumi na Assembleia Legislativa. Quero me somar ao deputado Zeca do PT', falou. Já a deputada Lia Nogueira (PSDB) descreveu a prioridade que o Governo tem em relação à questão indígena.

Por sua vez, o presidente da AL, Gerson Claro (PP), reiterou apoio para solucionar a questão e declarou que a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul tem feito esse debate desde o início do ano, com bancada federal e o governador Eduardo Riedel.

Rogério Yuri diz que, em síntese, a situação caminha para um desfecho positivo e exemplar. Para ele, pode partir de Dourados e ser levado ao resto do Brasil a proposta pacificadora, se concretizada a declaração do presidente Lula, tendo em vista o interesse demonstrado pelo governador Eduardo Riedel e o trabalho que realizamos enquanto Frente Parlamentar.

Além de Rogério Yuri, integram a Frente Parlamentar para solução de conflitos entre índios e sitiantes os vereadores Marcelo Mourão (PL), Fabio Luiz (Republicanos), Marcio Pudim (PSDB) e Elias Ishy (PT).